A Câmara Municipal de São Miguel e o Governo de Cabo Verde, no quadro do PRRA, têm levado obras de requalificação urbana e ambiental a todos os bairros do município, por forma a melhorar o ambiente urbano, a mobilidade, ter espaços verdes e de lazer e melhorar a qualidade de vida das nossas populações.

Chegou a vez de Monte Terra entrar nesta onda de transformação. O bairro necessita de uma intervenção em todos os níveis e ontem a população pode presenciar e testemunhar o descerramento da placa para arranque dos trabalhos a partir de segunda-feira, 11 de novembro.

O edil mostrou-se bastante satisfeito por cumprir com a população de Monte Terra. Garantimos e cumprimos! Disse, reforçando que a mudança, o desenvolvimento que chega a Monte Terra, contribuirá para uma maior segurança, maior qualidade de vida e dignidade para os moradores e junto a esta transformação vem mais emprego e mais rendimento para as famílias.

A obra está a cargo da Empresa Varela Engenharia que tem aproximadamente 8 meses para concluir os trabalhos.

É consensual que este é um projeto que deverá servir de modelo para ser replicado noutros pontos de vocação agrícola do país. A ministra da Família e Inclusão Social e o Presidente da Câmara Municipal de São Miguel não têm dúvidas da sua sustentabilidade e da sua eficiência na criação de rendimentos para as famílias e empoderamento das mulheres.

O edil avança que o projeto vai ser alargado a outras ribeiras, nomeadamente de Flamengos e Principal e ainda às localidades de Pilão Cão e Espinho Branco. Trata-se de uma experiência inovadora que está a ter excelentes resultados, pelo que, deve ser estendido a outras comunidades e beneficiar outras mulheres.

A representante das beneficiadas falou da experiência que a está a ter, do resultado financeiro proveniente do escoamento dos produtos para o mercado e para o Hotel Decamerom na Boavista e da melhoria significativa na renda da família.

É nesta linha que a ministra diz estar extremamente satisfeita com o resultado do projeto, de modo que abraçará totalmente a ideia do Presidente para levar esta boa experiência às mulheres de outras comunidades.

Maritza Rosabal fez-se acompanhar nesta visita da Ministra da Mulher, Família e Proteção Social da Guiné-Bissau, da Ministra de Género, Criança e Ação Social de Moçambique e da Vice-Ministra dos Assuntos Sociais e Igualdade de Género da Guiné Equatorial para conhecerem o projeto e testemunharem a sua eficiência e sustentabilidade. A comitiva está em Cabo Verde, para participar da VI reunião de Ministros e responsáveis pela igualdade de género da comunidade dos países de língua portuguesa, agendado para amanhã, 06 de novembro, sobre o tema Combate à VBG e ao Feminicídio.

O ato de consignação seguido do descerramento da placa para o arranque dos trabalhos aconteceu ontem, e a partir de 14 de novembro, arrancam os trabalhos de drenagem das águas pluviais, criação de parques de estacionamento, novas acessibilidades, espaços de lazer e melhoria de todo o envolvente.

Trata-se de um investimento a volta de 18 milhões de escudos que, segundo o edil, vai dar a merecida dignidade aos moradores, vai melhorar toda a configuração da ribeira e sobretudo garantir a segurança da população que nas épocas das chuvas passam por uma grande aflição.

Por outro lado, reforça Herménio Fernandes, é um investimento que terá um grande impacto na melhoria da imagem da cidade por tratar-se de uma ribeira que está à vista de todos.

A parceria entre o Governo de Cabo Verde e a Câmara Municipal tem permitido levar obras de requalificação urbana e ambiental a todas as localidades e bairros do município, no quadro do PRRA.

Hoje foi a vez do Bairro de Dacalinha em Achada do Monte receber o ato de consignação e descerramento da placa para o arranque dos trabalhos de calcetamento, construção de passeios e criação de espaços verdes.

Durante o ato o edil lembrou que se trata de uma escolha da população de Meio de Txada e Dacalinha que aquando do encontro para definir as prioridades para a localidades optaram pela requalificação para a valorização do território e dignidade dos moradores. A edilidade assumiu o compromisso e agora é hora de concretizar.